A lactose é um carboidrato contido exclusivamente em leites. Leites de ovelhas, cabras e vacas contêm 4 a 5 g por 100 ml, o leite materno é um pouco mais rico. Desde o nascimento, o bebé é “equipado” com uma enzima, láctase, para digerir o leite de sua mãe. A lactose fornece a energia essencial para o desenvolvimento da criança. Ao longo dos anos, a atividade da láctase diminui, mas apenas parcialmente. Em alguns indivíduos, o declínio nessa atividade é mais pronunciado, pois digerem menos bem o leite além de uma certa quantidade (uma tigela). Estes podem continuar a beber leite em pequenas quantidades ou incluídos em receitas. Por outro lado, queijos e leites fermentados (iogurtes) são muito bem tolerados.

Quais alimentos contêm?

Todos os produtos lácteos, mas em quantidades variadas: os queijos curados dificilmente contêm lactose, ao passo que o leite ou o queijo cottage contém bastante. A lactose também entra na composição dos produtos em que não se espera: frios, alimentos dietéticos e até drogas! A indústria farmacêutica utiliza este carboidrato como um excipiente (substância associada ao princípio ativo de um medicamento para mascarar o sabor e facilitar a absorção): cerca de 20% contém lactose.

De onde vem a intolerância à lactose?

Exceto por predisposições genéticas excepcionais, essa intolerância está relacionada à idade. No lactente alimentado com leite materno, a produção de láctase é muito importante: permite que ele assimile esse leite. O fabrico da enzima diminui depois para 18-20 anos. Algumas pessoas mantêm produção suficiente para continuar assimilando a lactose sem dificuldade, mas noutras elas diminuem ainda mais.

13 Abril, 2017
Intolerância à lactose

Intolerância à Lactose

A intolerância à lactose é um mal que atinge cerca de 60% a 75% da população. Trata-se da incapacidade parcial ou completa de digerir o açúcar existente no leite e seus derivados.