Mitos sobre a proteção solar

A radiação solar é responsável por vários sinais na pele, como a flacidez, envelhecimento precoce, manchas, queimaduras, lesões e até cancro na pele. É por isso, de extrema importância, proteger o seu rosto e locais que estejam em contacto constante com o sol.

O protetor cria uma barreira e evita que os raios UVA e UVB penetrem na pele e provoquem reações.

– Mitos sobre a proteção solar

Se o tempo estiver enevoado, não é necessário usar protetor solar

O facto do sol estar escondido atrás das nuvens, não significa que não esteja lá e chegam a passar até 80% dos raios UV para a pele.

Dentro de casa não é preciso usar protetor solar

Num estudo sobre células da pele humana, os cientistas descobriram que as lâmpadas fluorescentes compactas emitem radiação UVA suficiente para causar danos.

Posso ignorar o protetor solar no inverno

A neve pode ser extremamente brilhante e até 80% dos raios UV podem ser refletidos na superfície. Se for esquiar, é bom relembrar que os raios UV são mais intensos em altitudes elevadas.

Muitas pessoas são alérgicas ao protetor solar

Podem realmente existir pessoas alérgicas a determinado protetor solar, mas não a todos. Os dermatologistas aconselham a experimentar uma nova marca com ingredientes diferentes.

Protetor solar com SPF 100 significa que se está protegido a 100%

Nenhum protetor solar pode oferecer 100% de proteção. Um protetor com FPS 30, por exemplo, apenas bloqueia 97% dos raios e o FPS 50 protege apenas 98%. Tenha também em atenção, que os números não são cumulativos, se usar um hidratante fácil FPS 15 mais um protetor solar FPS 15, não significa que esteja protegido com FPS 30.

Muita gente pensa (erradamente) que só se deve utilizar protetor solar no verão, mas, no inverno, é também importante não dispensar este passo na sua rotina diária pois ainda existe uma alta incidência de raios solares.

 

Fonte: Ekonomista